quinta-feira, dezembro 06, 2012

TERCEIRO FESTIVAL DE ECONOMIA SOLIDARIA NA PRAÇA DO LICEU


Moeda Socioambiental Motirõ vai circular no III Festival de Economia Solidária

A Praça do Liceu será palco e cenário para o III Festival de Economia Solidária de Campos nos dias 14, 15 e 16 de dezembro de 2012, das 10h às 20h, onde circulará o Motirõ como moeda socioambiental com lastro em óleo de cozinha usado.

O III Festival de economia solidária é um evento rico em arte popular e de prática coletiva de uma nova economia com base na solidariedade e na valorização do trabalho autogestionário. Traz na sua programação exposições, apresentação de grupos de dança, artesanato regional, gastronomia afro-brasileira, música ao vivo, exposição de produtos da terra ligados a grupos da agricultura familiar, oficinas e palestras nos moldes dos grandes eventos de Economia Solidária que acontecem no país. 

O evento, organizado pelo Fórum de Economia Solidária de Campos, tem como parceiros vitais, a Incubadora Tecnológica de Empreendimentos Populares (ITEP), vinculada à Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (PROEX) da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Secretaria de Família e Assistência Social de Campos, Secretaria de Agricultura e Pesca de Campos, Fundação Municipal Zumbi do Palmares, Companhia de Desenvolvimento do Município de Campos (Codemca), Secretaria de Serviços Públicos, Campos Luz, Guarda Municipal e o Instituto Solar Brasil de Desenvolvimento Saúde e Pesquisa (Isobras).


Moeda Socioambiental Motirõ - Os bancos comunitários criaram mais de 80 moedas alternativas ao real e são identificadas como moedas sociais. Elas são reconhecidas pelo Banco Central como complementares ao real e usadas para estimular a economia local das comunidades. O Motirõ é uma ecomoeda social que circula nos eventos apoiados pela Incubadora Tecnológica de Empreendimentos Populares (ITEP/UENF) enquanto o movimento de economia solidária não constituir seu banco comunitário.

A moeda socioambiental neste III Festival tem o apoio da “Rede Nacional do Disque Óleo Vegetal Usado”, posto de coleta de Campos dos Goytacazes. Esta Rede tem trabalhado na coleta de óleo vegetal em estabelecimentos comerciais, instituições públicas, escolas, condomínios e residências com o objetivo de preservação ambiental e de geração de renda para catadores, cooperativas e microempresários.

A ecomoeda social objetiva criar consciência ambiental pós-consumo do cidadão e fortalecer o circuito comercial de grupos ligados a economia solidária. O Motirõ será trocado por óleo vegetal usado no preparo de alimentos e circulará como dinheiro na compra de produtos da economia solidária que participam do III Festival.

A reciclagem do óleo usado evita a contaminação das águas dos rios e solo. Segundo pesquisas um litro de óleo contamina cerca de um milhão de litros de água. O descarte correto ajuda a sustentabilidade do planeta e possibilita um destino útil. Ele é empregado como matéria-prima para produção de sabão, detergentes, ração animal e na produção de biodiesel, combustível menos poluente que reduz a emissão de gases causadores do efeito estufa, e deriva de fontes naturais renováveis que fazem o 'sequestro do carbono'. Quando o descarte ocorre na rede de coleta de esgotos, o óleo absorve outras substâncias provocando o entupimento e vazamento da rede coletora.

(ASCOM)

Contatos da “Rede Nacional do Disque Óleo Vegetal Usado”, posto de coleta de Campos dos Goytacazes (27280020 /92068773/99919053 com Guilherme ou Magda).

Um comentário:

  1. Ralph Willian Barreto Viana8 de dezembro de 2012 09:45

    Tenho tentado fazer a minha parte. Tenho um Salão de festas, com o nome RAUKEKI. Um dos diversos garçons, que trabalhou aqui, disse que trabalhava com reciclagem de óleo. Só que nunca mais, voltou. Vou entrar em contato com o tel., mencionado. Obrigado.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião