domingo, maio 22, 2011

VALHA-NOS DEUS!

Por robertobarbosa, em 22-05-2011 - 17h32

Cheguei a pouco do Hospital Ferreira Machado. Fui a Centro de Terapia Intensiva (CTI), onde se encontra desde o início da manhã de sexta-feira o meu sobrinho Felipe Jones, de 23 anos. Ele foi uma das vítimas do acidente com a Hillux que capotou na BR-356, na altura de Outeiro, que vitimou outros quatro jovens. Um deles, infelizmente, veio a óbito.

Para que todos os amigos saibam, o estado de saúde de Felipe é estável, ainda inspira cuidados e muitos cuidados. Cada dia é um novo dia e uma esperança. Contudo, a evolução gradativa nos conforta neste momento de dor e tensão. A quantidade de liquido no pulmão que está sendo drenado está diminuindo, seus movimentos nos braços e pernas, aparentemente, estão funcionando. A urina está normal. Mas é necessário que permaneça em coma induzido.

Na CTI, a imagem do meu sobrinho não deixa de ser chocante: apesar dos cuidados e zelo da equipe médica, encontrar um jovem que praticamente vi nascer, acompanhei a infância e adolescência, naquela situação de fragilidade é um impacto forte.

Aliás, voltei com a convicção de que para trabalhar no Hospital Ferreira Machado não basta ser médico ou enfermeiro. É preciso ser herói para superar determinados obstáculos inexplicáveis.

O elevador do Hospital não funciona há três meses. Estamos falando de um Hospital que presta atendimento de emergência para 17 cidades. Isso já seria uma calamidade. A situação é alarmante. O CTI e UTI ficam respectivamente no terceiro e quarto andar. O pronto-socorro no térreo. Imaginem o que fazer com um paciente que chega necessitando de transferência para uma das duas unidades? No caso de Felipe, diante da gravidade e do problema que esta falha acarretaria, em caso de comprometimento do seu estado de saúde, buscou-se um jeito: funcionários da empresa terceirizada foram convocados para puxar o elevador manualmente. Isso mesmo, o elevador foi puxado no muque, numa cena que lembraria o desenho animado Fred Flinstone.

Agora, para permitir o acompanhamento das luxações na cabeça, Felipe precisa fazer uma tomografia computadorizada. Só que não será possível de imediato, porque o tomógrafo fica em outro andar. Sem o elevador funcionando, remover aquele jovem forte pelas escadas é uma tarefa complicada. Sendo assim, os médicos adotam procedimentos mais rudimentares, que, por sinal, tem permitido salvar a vida do meu sobrinho. Quanta dedicação desses profissionais! Muitas vezes não temos noção do que é uma emergência.

Campos é uma cidade rica. Tem um orçamento de quase R$ 2 bilhões. Além desta quantia bilionária, a saúde é turbinada com verbas federais. Não é pouco dinheiro! Vem a pergunta que não cala: está faltando dinheiro para consertar o elevador de um Hospital em Campos? Onde está o dinheiro do Ferreira Machado? Será que as pessoas têm noção de que um minuto para o paciente poli-traumatizado pode custar uma vida?

Gente, onde estamos? O que faz a Procuradoria Geral da República em Campos? Do jeito que as coisas vão, o melhor é fechar as portas, porque só acarreta despesa para o bolso do contribuinte. Não move uma palha para instar os dirigentes da saúde a explicar as razões deste absurdo.

Tomo conhecimento também que a prefeita Rosinha Garotinho acaba de demitir toda a equipe da Secretaria de Finanças. Vou aqui expressar uma sugestão: aumente o foco prefeita! Cabe mais gente nesta barca. Faça uma faxina nesta saúde do seu governo, porque a situação está crítica. Meta logo um bisturi e se antecipe, antes que o tumor venha a furo.

Meu desabafo não decorre apenas pelo caso específico do meu dileto sobrinho, mas também por centenas ou milhares de pacientes que não tem quem grite por eles. Sofrem calados diante da inoperância e irresponsabilidade de quem tem poderes delegados para resolver problemas. É preciso combater logo este estágio de letargia, pois uma cidade que não é capaz de consertar um elevador, expressa que está sofrendo de falência múltipla de vergonha ou asfixia de administração incapaz. Faça, para que amanhã o seu marido, Anthony Garotinho, não venha dizer na mesa do café o que costuma falar para todos que lhe antecedem em cargo público: “quem teve a chance de fazer e não fez, perdeu a vez”.

15 comentários:

  1. Enquanto isso a empresa dos Drs Ricardo Madeira e Leonardo Ferraz ganha a licitacao para a transferencia de pacientes.A empresa eh a RM,

    ResponderExcluir
  2. ENQUANTO ESSA FALTA DE VERONHA ACONTECE NO HOSPITAL FERREIRA MACHADO ( QUE DEVERIA SER REFERÊNCIA EM BOM ATENDIMENTO, E NÃO DE ABSURDOS ), A PREFEITA SÓ QUER SABER DE CANTAR PELAS NOITES AFORA, VAI ATÉ MESMO GRAVAR UM CD COM SEUS "AMIGOS" . E O POVO QUE SE DANE.
    EM 2008, ELA BATEU NA SUA PORTA PEDINDO FAVORES E PROMETENDO MUNDOS E FUNDOS, E HOJE ELA BATE A PORTA NA SUA CARA ! ( RELEMBRANDO O QUE DISSE UMA DEPUTADA FAMOSA ). PRESTEM ATENÇÃO, POIS EM 2012, ELA OU ALGUM CAPACHO DELA E DE SEU MARIDO GAROTINHO VAI BATER DE NOVO EM SUA PORTA, NÃO SE DEIXE ENGANAR NOVAMENTE. O POVO É SÓ DEPOI$$$$$$$ !
    CAMPOS, MINHA CIDADE, MEU HORROR !
    LUIZ SIRI

    ResponderExcluir
  3. gente isto não e novidade,campos tem o que merece,este grupo ai esta a muito tempo no poder,colocado por vcs mesmo, não adianta chorar agora, temos que esperar ate as próximas eleições,valeu roberto barbosa, tem que falar mesmo, gritar ao mundo pois campos esta vivendo a muito tempo numa miséria de política de dar nojo, e só a política de perseguição e enriquecimento dos políticos no poder.

    ResponderExcluir
  4. Qual a novidade na atuação deste...governo!?
    NENHUMA.
    $urpresa foi qdo conseguiram retornar depois de terem estado por 8 anos no Estado e terem governado de costas para Campos.
    Êta população ignorante ...ou outras ¨coisitas más¨.
    Tenho pena apenas dos que sofrem sem ter nele votado.

    ResponderExcluir
  5. carlinhos j.carioca23 de maio de 2011 07:05

    Essas coisas nos causa muita indignaçao.È muita falta de respeito,descasoe falta de amor com o seu proximo.Quando alguem diz minha cidade meu amor,esse amor seria "cifra$$$)?Porque sensibilidades nao existem por parte do poder publico.Ora,a prefeita quando precisou de medicos foi para o Ferreira?Claro que nao,esse é um dos motivso para nao se preocupar com o Ferreira!Mas cade a dignidade,e o carater de fazer valer sua autoridade para resolver os problemas da populaçao que afianal sao muito bem pagos para isso!Cade a cambada de vereadores,que so sabem atuar como tropa de choque para defende-la ao passo de defender a populaçao que afianal sao muito bem pagos$$$...quanta vergonha,quanta indignaçao!!!Em Donana numa simpels inauguraçao pagaram a um cantor para atrair publico,e a verba para consertar os elevadores?Nao seria melhor comprar outros,com certeza por ser emergencial nao sera necessario licitaçao,sera mais rentavel para o grupo!

    ResponderExcluir
  6. Se membros da Promotoria Pública em Campos não são capazes de enxergar o que está acontecendo.Se não conseguem ver o que toda a população está vendo,como CONTRIBUINTES e como CIDADÃOS que desejam uma Campos que todos merecemos, só nos resta solicitar que deixem uma vacancia para os que têm os olhos límpidos.
    A verdade é que estamos nos sentindo sem a menor proteção das instituições que foram criadas para tanto:FISCALIZAÇÃO da LEI ,LOGO, PROTEÇÃO AOS CIDADÃOS CONTRA OS ¨EXAGEROS¨(?)COMETIDOS POR DÉSPOTAS NADA ESCLARECIDOS QUE TOMAM DE ASSALTO O PODER.
    O que resta acontecer mais em Campos senhores?
    Uma PESTE?
    Já a temos.Ou não?

    ResponderExcluir
  7. Falta é um antídoto para a PESTE!

    ResponderExcluir
  8. Trabalho neste lugar, que já foi referência em urgência e emergência,hoje sobrevive graças a luta dos funcionários.Sinto muito pelo seu sobrinho, mas sem TC para acompanhar,dificilmente não ficará com sequelas.Vá procurá a justiça agora para obrigar a realização do exame,pois isto é vital para seu sobrinho e os outros pacientes que se encontram na mesma situação

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pelo desbafo Roberto. Realmente o HFM é um caos! O mais duro é saber que essa realidade vem há mais de 12 anos e você foi percebe-la agora. Não sei se foi se percebeu pelo fato de ter ocorrido com seu sobrinho ou se foi pelo fato de ter ocorrido fora de período do governo do qual o senhor fez parte. Porém, antes tarde do que nunca, espero que as mazelas deste governo continuem sendo denunciadas, espero que pelo fato da prefeita agora ser colega de jornal dos funcinários da Folha, não seja motivo para mais um apagão na visão dos seus jornalistas.


    Mario Reis

    ResponderExcluir
  10. Fernando. Será que o Professor Secretário de Controle e Finanças, não está ferindo a Constituição Federal. " Professor Soledil", é bom lembrar que a Constituição Federal no seu Art.37 XVI-" é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando houver compatibilidade de horários, observado em qualquer caso o no inciso XI: a) a de dois cargos de professor; b) a de um cargo de professor com outro, técnico ou científico; c) a de dois cargos privativos de médico; .Inciso XVI com redação dada pela EC Nº19, de 4-6-1998, a pergunta é a seguinte: O Professor Soledil, esta afastado de suas funções como Professor do Estado a quanto tempo? Caso não esteja, estamos diante de uma Inconstitucionalidade " grave", é preciso que o Ministério Publico esteja atento, a Lei deve ser cumprida em todos os meios. Estará o Professor cometendo um ato INCONTITUCIONAL? Com a palavra o Ministério Público.

    ResponderExcluir
  11. desculpe mario, a saude eh sempre complicada num pais pobre mas o hfm nunca teve tao ruim.sem remedios,tc,elevador...quer mais?

    ResponderExcluir
  12. INADMISSÍVEL uma situação desta e incompreensível(?)a não atuação do poder judiciário diante de tantas evidencias.
    Por que a inércia da população campista?
    Será que somos todos imbecis?
    Será que todas as entidades de classe estão sob suspeita?
    Passou da hora da cobrança aos 3 poderes, afinal os TRES estão , de algum modo , devendo aos cidadãos .

    ResponderExcluir
  13. Ao anônimo das 19:46,como pode comparar o HFM dos governos passados com o de agora,vejo que não tem conhecimento de causa.Trabalhavamos com material de primeira, hoje compram as marcas mais baratas possiveis, para sobrar dinheiro.Os jelcos rasgam a pele das crianças e temos que furar inumeras vezes para puncinar uma vias,antes os jelcos era da marca mais cara para que esse sofrimanto fosse evitado.ESTOU APENAS CITANDO UM EXEMPLO.

    ResponderExcluir
  14. Só os que tabalham na saúde conhece seus bastidores.
    É CALAMITOSO O QUE ESTÁ ACONTECENDO.
    Os que trabalham na Educação dizem o mesmo.
    Apavorante, como bem disseram alguns comentadores acima, é a omissão dos orgãos que deveriam fiscalizar e aplicar as sanções cabíveis.
    Apavorante.

    ResponderExcluir
  15. Pare esta cidade que eu quero descer.
    Para VOMITAR!

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião