segunda-feira, maio 02, 2016

ACREDITE, SE QUISER!



Tava aqui lendo, detidamente, linha após linha, a entrevista concedida pelo Garotinho ao jornal O Dia e eis que me deparo com uma situação que dá bem a mostra do desespero que tomou conta da senhora presidente do Brasil, dona Dilma. E, o que é ainda mais estarrecedor, sua excelência botou seu drama na roda da conversa miuda.

Demonstrando absoluta falta de convicção nos argumentos que vem repetindo, monocordiamente, vibrados no mantra que a companheirada entoa à toa: não vai ter golpe, a presidente, segundo diz Garotinho com todas as letras, pergunga a ele: "o que você acha que eu deveria fazer?". Ele, então, sugere que ela convoque a Imprensa Internacional, proponha uma renúncia da chapa e a convocação de eleições diretas em outubro.

A presidente, pega o telefone e liga ao Ministro do Governo, Ricardo Berzoini: - O Garotinho  me deu uma boa idéia aqui.

Parei de ler. Agora, confesso que temo pelo que virá. O palácio do Planalto está à deriva.

FAMILIA VAI ANUNCIAR HORARIOS DE VELORIO E SEPULTAMENTO DE SYLVIO MUNIZ

Lamento muito a morte do jornalista e empresario, Sylvio Muniz. Ao saber da notícia, no blog do Murilo Dieguez e Armando Barreto, fiquei perplexo.

Sylvio era a imagem de um homem que se cuidava e, para além de sua forma física, era um gentleman, educado, de fino trato, bem humorado e empreendedor.

Tive o prazer de tê-lo como aluno no curso de Comunicação Social da Uniflu.

À família, minha integral solidariedade.

LEIA MATÉRIA DE O DIARIO:



Joranalista era fundador e editor responsável do Jornal Mania de Saúde, em Campos

Ele estava internado desde o último dia 23 e faleceu na manhã desta segunda-feira (02) por problemas hepáticos

Fundador e editor responsável do Jornal Mania de Saúde, em Campos, o jornalista Sylvio Muniz morreu na manhã desta segunda-feira (02) por problemas hepáticos. Ele estava internado desde o último dia 23 num hospital particular em São Paulo, onde passou por um procedimento cirúrgico, entretanto, seu quadro clínico se agravou e ele não resistiu vindo a falecer. Sylvio deixa a esposa, Andréa Muniz e três filhos.
Na página do jornal, no facebook, a equipe Mania de Saúde lamentou a morte do empresário: “É com pesar que comunicamos o falecimento do editor e proprietário do Mania de Saúde, Sylvio Muniz. Agradecemos todas as manifestações de apoio que estão chegando à redação, mas pedimos a compreensão de todos pelo momento delicado. A família fará um comunicado oficial assim que houver informações sobre velório e sepultamento”.
Fundado em 1° de junho de 1991 o Jornal Mania de Saúde é um periódico mensal segmentado na área da saúde, com tiragem para as regiões dos Lagos, Norte e Noroeste Fluminense. A distribuição é dirigida e gratuita.

BRASIL SEM WHATSAPP POR 72 HORAS, A PARTIR DAS 2 DA TARDE DESTA SEGUNDA, 2

G1


Justiça de Sergipe manda operadoras bloquearem WhatsApp

Bloqueio a partir das 14h deve durar 72 horas.
Pedido foi feito pela Justiça do Sergipe.

Do G1, em São Paulo
A Justiça de Sergipe mandou as maiores operadoras de telefonia do país bloquearem o acesso dos brasileiros ao aplicativo de mensagem instantânea WhatsApp por 72 horas a partir das 14h desta segunda-feira (2). A assessoria da TIM confirmou ao G1 que recebeu a notificação.
A decisão é do juiz Marcel Maia Montalvão, da Vara Criminal de Lagarto, no Segipe. O magistrado atendeu a um pedido de cauter da Polícia Federal, que foi endossado por parecer do Ministério Público.
O bloqueio foi pedido porque o Facebook, dono do WhatsApp, não cumpriu outra decisão judicial de compartilhar informações que subsidiariam uma investigação criminal. A recusa já havia resultado na prisão do presidente do Facebook para América Latina em março deste ano.
Segundo o juiz, a medida cautelar é baseada no Marco Civil da Internet. Os artigos citados pelo magistrado dizem que uma empresa estrangeira responde pelo pagamento de multa por uma “filial, sucursal, escritório ou estabelecimento situado no país” e que as empresas que fornecem aplicações devem prestar “informações que permitam a verificação quanto ao cumprimento da legislação brasileira referente à coleta, à guarda, ao armazenamento ou ao tratamento de dados, bem como quanto ao respeito à privacidade e ao sigilo de comunicações.”
Não é a primeira vez que um tribunal pede a suspensão do acesso ao serviço de bate-papo no Brasil. O bloqueio anterior ocorreu em dezembro de 2015, quando a Justiça do Piauí ordenou que as empresas impedissem a conexão. A ferramenta permaneceu inacessível por 12 horas.
Conta no WhatsApp
A investigação foi iniciada após uma apreensão de drogas na cidade de Lagarto, a 75 km de Aracaju. O juiz Marcel Montalvão pediu há quatro meses que o Facebook informasse o nome dos usuários de uma conta no WhatsApp em que informações sobre drogas eram trocadas. A empresa não atendeu a Justiça, que aplicou há dois meses multa diária de R$ 50 mil. Como a empresa ainda assim não cumpriu a determinação, o valor foi elevado para R$ 1 milhão há 30 dias.
A assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe informou que o juiz está em audiência e que a assessoria dele confirma a existência do processo, mas não iria passar informações, pois corre em segredo de justiça.
O Facebook já proíbe que a rede social seja usada para vender drogas. No começo de fevereiro, alterou a política de uso do site e do aplicativo de fotos Instagram para impedir também que os usuários comercializassem armas.
Na prática, donos de páginas e perfis já não podiam vender material bélico, mas pequenas microempresas podiam usar a ferramenta de criação de anúncios rápidos para isso. Com a alteração, essa prática foi vetada. A política da rede, no entanto, não se estende ao WhatsApp.
Segundo o delegado Aldo Amorim, membro da Diretoria de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal em Brasília, a investigação foi iniciada em 2015 e esbarrou na necessidade informações relacionadas as trocas de mensagens via whatsapp, que foram solicitadas ao Facebook e não fornecida ao longo dos últimos meses.
Ainda de acordo o delegado, existe uma organização criminosa na cidade de Lagarto e o não fornecimento das informações do Facebook está obstruindo o trabalho de investigação da polícia. Ele disse também que toda empresa de comunicação que atua no Brasil deve seguir a legislação brasileira, independente do seu país de origem.

EM DEFESA DO OCEANO INTOCADO


Há uma parte do oceano praticamente intocada. Lá, pinguins, baleias e diversas criaturas misteriosas podem nadar livremente. Esse paraíso agora corre o risco de ser destruído por frotas de pesca industrial, ou, felizmente se tornar a maior reserva marinha do mundo! Falta apenas um país tomar essa decisão e temos uma oportunidade incrível para influenciá-lo.Clique para saber mais e assine a petição:

ASSINE A PETIÇÃO
Queridos amigos,

Há só uma parte dos nossos oceanos que a humanidade ainda preserva intocada. É um lugar precioso, onde majestosas baleias azuis, pinguins e outras criaturas misteriosas vivem livremente.

Mas podemos perder este paraíso – que é do tamanho da Alemanha, França e Reino Unido juntos – muito em breve. A pesca predatória já levou ao massacre de milhares de baleias ameaçadas de extinção no Mar de Ross, situado no oceano Antártico, ao sul da Nova Zelândia. Agora, enormes frotas de pesca industrial querem devastar esta área de uma vez por todas.

Temos uma chance: se 24 países concordarem, esse oceano virgem pode ser transformado na maior área de proteção marinha do mundo. Até agora, 23 deles já disseram sim à proteção do mar de Ross, mas ainda falta um:

Rússia.

Por incrível que pareça, temos uma oportunidade única de persuadir a Rússia a dizer SIM. Especialistas em oceanos, que estarão reunidos em breve com os principais assessores do presidente Vladimir Putin, vão entregar a nossa petição em mãos! Assine:

https://secure.avaaz.org/po/protect_the_ross_sea_gl_loc/?bgspEdb&v=76081&cl=9911725104

Por anos, essa região conseguiu permanecer protegida por ser isolada. O perigo é que agora, depois de ter devastado os outros mares com a pesca predatória, barcos de pesca industrial, movidos à alta tecnologia, estão a caminho desse oceano sagrado.

Se conseguirmos transformá-lo em santuário, os navios não terão permissão para navegar em 1,34 milhão de km²! É algo sem precedentes.

A nossa comunidade já ajudou a garantir duas áreas marinhas protegidas enormes. Sabemos que, assim como os parques de natureza selvagem reabilitam a vida na terra, o mesmo pode acontecer nos oceanos. Mas apenas se as autoridades criarem reservas marinhas e garantirem o cumprimento das leis de proteção.

Podemos tornar isso uma realidade! Depois de anos de bloqueio ao projeto, a China recentemente juntou-se aos países que apoiam a proteção do Mar de Ross. Agora só precisamos que mais um país diga sim. Vamos fazer a maior campanha de todos os tempos para exigir que a Rússia apoie a criação do maior santuário marinho do mundo. Adicione seu nome e encaminhe este e-mail para seus contatos:

https://secure.avaaz.org/po/protect_the_ross_sea_gl_loc/?bgspEdb&v=76081&cl=9911725104
Várias vezes, a comunidade da Avaaz disse que defender nossos oceanos é uma prioridade global, tanto por causa das mudanças climáticas quanto para garantir a sobrevivência de milhares de espécies. A Antártida é um exemplo brilhante de como os países podem trabalhar em conjunto pela conservação da natureza e, agora, podemos estender essa proteção aos mares gelados em seu entorno.

Com determinação por um mundo melhor,

Nataliya, Alex, Christoph, Mélanie, Alice, Ricken, Lisa, Fatima e toda a equipe da Avaaz 

COMISSÃO DA ALERJ DISCUTE, EM CAMPOS, SITUAÇÃO DA UENF E DA FAETEC

O DIARIO:



Audiências nesta segunda-feira em Campos sobre a situação da UENF e FAETEC

Comissão da Alerj estará na cidade para os eventos

Nesta segunda-feira, a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) realiza em Campos, duas audiências públicas para discutir a crise na edução pública do estado. A primeira audiência acontecerá às 10h, na Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf). Às 15h, outra audiência será realizada na Câmara de Vereadores para debater a situação das unidades da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) no município.
Na Uenf, o objetivo é discutir a situação financeira da universidade, que este ano ainda não recebeu uma parcela sequer de seu orçamento e ainda acumula dívidas que chegam a mais de R$ 11 milhões. A instituição tem contas atrasadas e já teve o serviço telefônico cortado. Alunos, professores e técnicos administrativos mantêm a greve, iniciada em março.

Manifestos em defesa da universidade

Além da greve, outros manifestos já foram realizados para levantar a questão da Uenf. No dia cinco de abril, a Câmara Municipal de Campos manifestou apoio público à universidade, criando uma Comissão de Trabalho. No dia 15 do mesmo mês, representantes de mais de dez entidades da sociedade civil assinaram documento em defesa da universidade, em reunião organizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Campos.
E no último dia 25, foi realizada sessão do Parlamento Regional, também na Câmara Municipal.

MORRE EMPRESÁRIO SILVIO MUNIZ

Acabo de ler no blog do Murilo Dieguez e Armando Barreto, a noticia do falecimento do empresário Silvio Muniz, proprietário do Mania de Saúde. Que lástima!



Mais informações em instantes

domingo, maio 01, 2016

DILMA VAI A ATO DA CUT PELO DIA DO TRABALHADOR

G1



Dilma deve anunciar reajuste no Bolsa Família; ministra chama imprensa

Anúncio deve ocorrer em ato do Dia do Trabalho em São Paulo.
Ministra convocou entrevista para dar detalhes sobre reajuste no programa.

Do G1, em Brasília
A presidente Dilma Rousseff deve anunciar neste domingo (1º), durante evento do Dia do Trabalho, promovido na capital paulista pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), reajustes para beneficiários do programa Bolsa Família. A ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, convocou uma entrevista coletiva para 15h com o objetivo de dar detalhes sobre o anúncio.
Além disso, Dilma também deve anunciar reajuste na tabela do Imposto de Renda. Segundo o Blog do colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, os anúncios integram uma série de medidas que o governo pretende divulgar antes de o plenário do Senado deliberar, no próximo dia 11 ou 12, sobre o afastamento por 180 dias da presidente por meio de processo de impeachment.
Neste sábado, Dilma se reuniu com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, no Palácio da Alvorada, para acertar os detalhes das medidas. Segundo interlocutores do governo, o reajuste na tabela do IR será de 5% e entrará em vigor a partir de 2017. No caso do Bolsa Família, o aumento seria aplicado de imediato.
O reajuste no pagamento destinado aos beneficiários do programa já estava previsto no plano de governo desenhado pelo vice-presidente da República, Michel Temer, caso o impeachment passe no Senado. No entanto, Dilma resolveu se antecipar a ele e anunciar o aumento.
Diferentemente de outros anos, quando fez pronunciamentos na TV e nas redes sociais, desta vez, Dilma só deverá se manifestar em um discurso durante o evento nem São Paulo, do qual também participará o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Sem consenso
O reajuste no Bolsa Família não encontra consenso dentro do governo. Na quinta-feira (28), o secretário do Tesouro Nacional, Otavio Ladeira, disse que o "espaço fiscal" (disponibilidade de recursos no orçamento) não permitia um reajuste no valor dos benefícios pagos pelo Bolsa Família.
Ladeira chegou a dizer que há, no orçamento, um espaço para reajuste do Bolsa Família de até R$ 1 bilhão. Mas explicou que, diante das dificuldades das contas públicas, o uso desses recursos só deve ser avaliado caso a nova meta fiscal proposta pelo governo -e que permite ampliar o rombo das contas públicas para até R$ 96,6 bilhões neste ano-, seja aprovada pelo Congresso.
O Palácio do Planalto argumenta, porém, que a medida não causará nenhum rombo, mas que se trata apenas de uma medida para reafirmar as suas prioridades na área social -o Bolsa Família é uma das principais bandeiras do governo petista.
Números do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome mostram que o orçamento do Bolsa Família, para este ano, é de R$ 28,11 bilhões, contra R$ 26,41 bilhões pagos em 2015 e R$ 26,12 bilhões em 2013.
Conforme a assessoria do ministério, cerca de 14 milhões de famílias recebem atualmente o Bolsa Família. Ainda de acordo com o governo, o pagamento médio do programa é de R$ 164 mensais por família.
Reajuste da tabela do IR
O reajuste na tabela já foi alvo de polêmica recente entre o governo e o Congresso. Em 2015,  Dilma vetou proposta dos parlamentares de reajustar a tabela em 6,5%. No lugar, o governo promoveu um reajuste escalonado, com validade de abril daquele ano em diante.
Com o modelo, o reajuste de 6,5% na tabela valeu apenas para as duas primeiras faixas de renda (limite de isenção e a segunda faixa). Na terceira faixa de renda, o reajuste foi de 5,5%. Na quarta e na quinta faixas de renda, a tabela foi reajustada, respectivamente, em 5% e 4,5%.
Com o reajuste escalonado, o governo visava evitar perdas na arrecadação, ainda mais com o início de deterioração nas contas públicas
Com a inflação de 2015, que fechou o ano em 10,67% pelo IPCA, houve uma defasagem média de 4,81% na correção da tabela do IR, uma vez que o reajuste médio concedido pelo poder executivo no ano passado foi de 5,6%.
Pela regra atualmente em vigor, estão isentos os brasileiros que ganham até R$ 1.903,98 por mês. Para o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), se fosse levada em conta toda a defasagem acumulada em razão da inflação, a faixa de isenção deveria se estender até a renda mensal de R$ 3.250.

GAROTINHO ACUSA O DEPUTADO EDUARDO CUNHA DE SER LADRÃO

Aliados e depois desafetos, o secretário de governo de Campos, Anthony Garotinho, e o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, certamente, têm muito o que falar um do outro.

Garotinho saiu na frente e, em entrevista ao jornal O Dia, replicado em seu blog, faz severas e pesadas acusações contra Cunha, a quem chama de ladrão.

Resta saber, como reagirá o deputado Cunha.

Será que vai entubar?

Leia a matéria aqui:


Reprodução do jornal O Dia
Reprodução do jornal O Dia

sábado, abril 30, 2016

ESCÁRNIO

EPOCA



Eduardo Cunha pode assumir a presidência?

A Constituição prevê o afastamento de um presidente tornado réu, mas não proíbe expressamente um réu de governar o país

MARCELO MOURA
29/04/2016 - 22h21 - Atualizado 29/04/2016 22h30
Eduardo Cunha pode assumir a presidência? (Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP)
Eduardo Cunha: alvo de processo no Supremo Tribunal Federal (STF) por acusações de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, investigado em três inquéritos na Operação Lava Jato, ameaçado de cassação pela Comissão de Ética da Câmara dos Deputados pela acusação de mentir sobre ter contas na Suíça e... excelentíssimo presidente da República. A situação esdrúxula torna-se cada vez mais possível, conforme o impeachment avança no Senado. A presidente Dilma Rousseff classificou como “inevitável” seu afastamento provisório, por até 180 dias. O afastamento definitivo é provável. Sem Dilma, o vice Michel Temer assumirá a Presidência. O próximo na linha sucessória é o presidente da Câmara: Cunha. Nas ausências de Temer, caberá a ele assumir a Presidência. Caso Temer e Dilma percam o mandato, ele deverá convocar uma nova eleição.
O Artigo 86 da Constituição prevê o afastamento de um presidente tornado réu, mas não impede claramente um réu no STF de assumir a Presidência. “Esse artigo não se aplica ao presidente da Câmara”, afirma Carlos Velloso, ex-ministro do STF. Deputado federal e advogado, Miro Teixeira (Rede-RJ) discorda. “É uma aberração”, diz.
O Supremo aceitou uma denúncia contra Cunha em 3 de março, mas, enquanto o acórdão da decisão não for publicado, ele não é oficialmente réu. Na quinta-feira, dia 28, o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, disse que o Tribunal precisa discutir a possibilidade de Cunha assumir a Presidência. “Esse assunto precisa ser examinado”, disse Teori – sem, contudo, estimar uma data para o julgamento.

DILMA REUNE MINISTROS PARA PREPARAR 1º DE MAIO

G1:

Dilma se reúne com ministros no Palácio da Alvorada

Ministros da Fazenda e dos Transportes estiveram com a presidente.
Nelson Barbosa e Antonio Rodrigues não falaram com imprensa.

Gustavo GarciaDo G1, em Brasília
A presidente Dilma Rousseff recebeu na manhã deste sábado (30) os ministros da Fazenda,Nelson Barbosa, e dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, no Palácio da Alvorada.
Na saída da reunião com a presidente, o ministro dos Transportes não falou com jornalistas. Antes de receber os ministros, a petista manteve a rotina de exercícios físicos e andou de bicicleta nas proximidades do Alvorada por volta das 6h30 da manhã.
Segundo o colunista da GloboNews e do G1, Gerson Camarotti, a presidente Dilma Rousseffdeve anunciar neste domingo (1º), durante as comemorações do Dia do Trabalho em São Paulo, reajustes para beneficiários do Bolsa Família e na tabela do Imposto de Renda de Pessoa Física.
Os reajustes fazem parte de um pacote de medidas que a presidente quer executar antes de um eventual afastamento com a instauração do processo de impeachment pelo Senado. Outras iniciativas já foram apresentadas nesta semana, como a liberação de recursos para a agricultura, dentro do Plano Safra, e antecipação do orçamento de todo o ano de 2016 para a Polícia Federal.
Ao longo do fim de semana, Dilma deve ter outras conversas com assessores para acertar detalhes das medidas.
A presidente enfrenta um processo de impeachment no Senado, que pode resultar no seu afastamento do mandato por 180 dias já no próximo dia 11 de maio, quando o plenário da Casa deve votar o relatório da comissão especial. Caso o parecer do colegiado seja favorável à instalação do processo e a maioria dos senadores (41 de 81) votarem pela aprovação do documento, é afastada e o viceMichel Temer assume a Presidência.
Nesta sexta-feira (29), o ministro Nelson Barbosa foi até a comissão especial defender a presidente diante dos senadores. Barbosa voltou a afirmar que Dilma não cometeu crime de responsabilidade ao autorizar as chamadas "pedaladas fiscais", atraso de repasses a bancos públicos para execução de despesas do governo, e ao editar decretos de crédito suplementar.
No Palácio do Planalto, também nesta sexta, em um evento para prorrogação de contratos do programa Mais Médicos, a própria presidente voltou a falar que o processo de impeachment é um "golpe" e que a acusação contra ela é "ridícula".